3. Ateísmo, Superstição e Pseudociência – Pseudociência

Em diversas ocasiões tenho dito que a Medicina moderna é ainda imatura. Nesse texto vou tentar explicar detalhadamente a respeito disso.

De imediato e em primeiro lugar, a Medicina moderna pensa que a causa de todas as doenças são as bactérias. Através de pesquisas diversas, os tipos de bactérias têm aumentado cada vez mais. Fala-se também que houve um grande progresso tanto na forma de cultura como no meio de contágio, mas por ser amplo e sem profundidade, posso afirmar que foi um progresso insignificante.

Em relação a esse assunto, no entanto, para se conhecer realmente a essência das bactérias, tem que pensar e ser diferente. Se faz necessário que alcance um ponto mais profundo, mesmo que seja estreito esse caminho. A pesquisa dessa profundidade é fundamental.

De forma que acredito que já tenha percebido isso, mas, mesmo percebendo, na fase de colocar em prática, desconhece o método; por isso, até hoje não foi possível obter o progresso desse ponto. Então, qual é o seu motivo? A questão é o microscópio.

Devido ao avanço da tecnologia e esforços envidados nesse sentido, realmente, o microscópio da atualidade consegue enxergar a bactéria, mas não consegue ver o vírus que está na parte mais profunda. Através das experiências, sabe-se que o vírus existe realmente, mas o problema é daí para frente. Na realidade, quem está num beco sem saída e não está conseguindo mais avançar é a atual bacteriologia. Assim sendo, o fundamental é descobrir a parte mais profunda de onde existe o vírus. Nem é preciso dizer que, se não se atingir esse ponto, não há como entender a essência da bactéria. Atualmente parece que já se consegue visualizar o vírus, mas é a parte a seguir, o próximo passo que está em um beco sem saída.

Entretanto, através da Medicina revelada por Deus, consegui alcançar esse ponto e apreender a essência da bactéria; portanto, podemos dizer que o problema das bactérias patogênicas já foi solucionado. É evidente que isto não é nenhuma suposição e nem teoria. É uma realidade que tem mostrado resultados constantes.

Explicando melhor, esse é o tratamento denominado Terapia Japonesa EHT, atividade peculiar da nossa Instituição. Quaisquer pessoas, por mais desconfiadas que sejam, diante da realidade do nosso Tratamento, não conseguirão deixar de abaixar a cabeça imediatamente. Então, por que ele é tão eficaz e apresenta tantos resultados assim? Como já disse anteriormente, pela possibilidade de eliminar o elemento X, que equivale praticamente ao nada e que é a fonte de surgimento das bactérias. Em suma, significa que descobri o método de eliminar a verdadeira causa da doença; por isso, se essa não for a verdadeira medicina, o que será então? Além do mais, desde que é possível comprovar de forma teórica e real, ela constitui a verdadeira ciência.

Por isso, como sempre tenho dito, a Medicina da atualidade não pode ser considera a verdadeira Ciência, antes digo que é um produto de suposição ou superstição.

Importante registro de que a Ultra Ciência | MindUniverse de forma alguma é contra qualquer tratamento médico, obedecendo irrestritamente as Leis do País, não recomendando uso de qualquer medicamento (exclusividade de médicos), muito menos recomenda-se o não uso de tratamento medicamentoso (exclusividade de médicos). O fato de termos trazido à luz os ensinamentos do cientista espiritualista Okada é para que se tenha ciência do que o mesmo ensinou e nos deixou através de milhares de ensinos, e no Brasil a Terapia Japonesa EHT® encontra-se abrangida nas dezenas de Terapias Integrativas divulgada pelo Ministério da Saúde, portanto, atividade legal e autorizada. Também a Terapia Japonesa EHT® não faz uso de qualquer equipamento, indicação de qualquer produto, muito menos contém orações, sinais, palavras secretas ou semelhantes durante seu procedimento. Trata-se segundo o conceito explicado nos itens acima, de tratamento de ordem espiritual ou energético, e que tem nos seus resultados sua melhor divulgação.

COMPARTILHE ESTE ARTIGO

Share on facebook
Share on google
Share on twitter
Share on linkedin
Share on pinterest
Share on print
Share on email