Dia: 23 de janeiro de 2020

Depressão tem solução, mas Qual o Caminho a Seguir?

Iremos agora tentar desvendar um dos grandes mistérios da ciência médica, visto que sua origem podem ser tantas que chega a ser praticamente impossível saber a origem. Segundo alguns levantamentos em média 5% da população sofre de Depressão. No Brasil seriam aproximadamente 12 milhões de brasileiros. Mas isso tem solução de uma forma que não traga mais problemas futuros? Para irmos nos aprofundando um pouco mais no assunto, fizemos o vídeo abaixo. Assistam, mais de 50 mil pessoas assistiram no face e agora trouxemos para o nosso Portal.

Assista abaixo o vídeo que falamos a respeito do tema Depressão e Ansiedade.

O Sofrimento é necessário?

Não tenho certeza, mas creio que foi em alguma parábola judaica que li uma analogia muito interessante quanto a resistência. Na lâmpada incandescente, você tem duas polaridades, e através de uma resistência, a energia passa e gera luz constante. Porém, se você encostar as duas polaridades, sem a resistência no meio, o clarão é mais intenso, porém, imediatamente há o apagão, por ter gerado o curto-circuito. E em que isso se aplicaria na nossa vida? Quando queremos o prazer imediato, o clarão pode até ser intenso, mas em seguida vem a escuridão, o vazio profundo. Não nos sentimos plenos de fato, não colhemos os benefícios da resistência que mantém a luz constante. Como exemplo, temos a gula em excesso, quando comemos demais um alimento e ficamos nos sentindo mal depois, ou quando sucumbimos a ira, ou a luxúria.

Como a sabedoria ancestral sempre nos mostrou, a Natureza e suas leis nos ensinam como funciona o mundo, e qual é a melhor forma de vivermos nele. Estar de acordo com essas Leis, nos permite viver uma vida sem muitos sofrimentos, mas toda vez que agimos indo contra essas chamadas Leis Naturais, sofremos uma série de consequências dolorosas.

Em outro exemplo, temos o excesso de resistência gerando males. Vejamos: quando um bambu é entortado, ele não se quebra, resiste por ser flexível. Comparado a um graveto rígido, que logo se partiria, vemos a vantagem da flexibilidade. Quem já praticou e aprendeu lutas marciais, em sua maioria nascidas no Oriente, lembra que as primeiras aulas ensinam massivamente ao aprendiz a como cair. Dar rolamentos, sempre sem resistir a queda, pois quando caímos com o corpo e músculos tensionados, haverá mais dores e danos do que se cairmos sem resistência, flexíveis.

Percebam, saber a hora de ser flexível, saber a hora de resistir, são dois conhecimentos que podem parecer antagônicos, mas unidos em sabedoria, funcionam maravilhosamente bem.

Conclusão: Quando aprendemos a desistir, e desapegar, a soltar, em determinadas circunstâncias, acaba que o resultado é bem melhor do que se insistíssemos. Porém, quando a causa for nobre, devemos medir a insistência, na verdade, devemos persistir.

Pedro Mello Franco Telles



Te Julgam e Avaliam Constantemente? Isso é um Alerta!

Quando criticamos outra pessoa, estamos invadindo o território de Deus? Podemos melhorar a nós mesmos avaliando os outros? Essa é uma pergunta frequente visto que o ser humano tem essa tendência e, portanto, acreditamos que uma pequena reflexão sobre isso seria importante. É disso que trata esse artigo, jogando uma luz sobre o tema.

Não importa se você avaliar os outros, desde que você não pense de forma muito rigorosa. No entanto, não é bom decidir se outra pessoa é boa ou ruim. Nós, seres humanos, não temos como saber se uma pessoa é realmente boa ou ruim. Se avaliarmos os outros com uma atitude positiva, tudo bem. Não é bom manter atitudes negativas em relação aos outros, especialmente com ódio. Se criticarmos os outros com ódio, isso cria nuvens espirituais – alguns poderiam chamar isso de “pecado”. 

Se você está incomodado com a crítica de alguém sobre você, seu nível de compreensão sobre Deus, sobre as Leis Divinas é superficial. Você deve fazer o que pensa ser certo perante os outros e perante Deus. Ter uma forte vontade de ser amado por Deus é mais importante do que ganhar o favoritismo dos outros. Você pode ser mal interpretado, mas não precisa prestar muita atenção a isso. Se outros te julgarem como ruim, mas você está fazendo o que é certo, a pessoa que está te julgando, está purificando suas nuvens espirituais. Então você pode se sentir agradecido. A pessoa que julga alguém erroneamente cria nuvens espirituais para si mesma.

Entendemos que quem fala mal de você, se estiver fazendo a coisa certa como ajudar os outros, sendo ético, correto e honestamente, na realidade quem critica está assumindo suas nuvens espirituais, dessa forma quem o critica irá atrair para ela parte de suas nuvens (máculas ou “pecados”) para si. Essa é uma Verdade muito boa de se aprender, pois através dela na realidade devemos sentir até gratidão por uma pessoa que nos critica injustamente, no final ela aliviará sua carga espiritual de coisas ruins e ficando para ela. Se as pessoas soubessem disso de forma geral parece que muitos comentários iriam desaparecer, ou mesmo as fofocas, quem sabe?

Se você entende ou conhece essa Lei não tem qualquer motivo para se sentir incomodado, mas antes, grato, é uma postura digna e inteligente, pode até ser que até com o tempo as pessoas percebam verdadeiramente sua postura e atuação, o que lhe renderá elogios. Mesmo que não os receba, mas ficará bem com o tempo, por isso é importante entender o que colocamos acima.



Os Nosso Pecados, a Saúde e a Espiritualidade

É por demais interessante o que nos ensina o Mestre Mokiti Okada. Lendo seus ensinamentos, fiz a minha concepção sobre determinadas situações.

Minha formação religiosa, Cristã, acredito que semelhante a da maioria de nós brasileiros, nos deu a concepção dos pecados, e do castigo decorrente da sua prática. Hoje até que mudaram um tanto sobre isto, mas ainda esta enraizada a cultura de um Deus que castiga aos que pecam.

Pois bem, entendi que tudo é um processo natural.

Temos um corpo físico, e um corpo espiritual, ou energético, pouco importa o nome que se dê, mas vou chamar de corpo espiritual.

Existe uma relação entre estes corpos, tal que o espiritual precede o material, e também uma identidade do espiritual com o material. Tudo nasce no espiritual, e se reflete no material. E tudo que ocorre em um, se reflete no outro. Isto faz parte das leis da natureza.

Pois bem, quando batemos com um martelo na unha do dedo, todos sabemos o que acontece. O sangue coagula, aparece o chamado sangue “pisado”, nada mais que sangue morto, sujo. E com o tempo, a unha cai, o sangue “pisado” é expulso, e nasce uma unha nova e o dedo recupera o seu estado natural, original. TUDO NATURALMENTE!

Isto não só acontece com pancadas no dedo. Existem outras agressões aos nossos corpos, e as consequências são semelhantes. Toda vez que agredimos um dos nossos corpos, aparecem nuvens espirituais (também chamadas de máculas), no corpo espiritual, e correspondentes toxinas no nosso corpo material.

Nosso dedo não foi feito para tomar pancadas. Isto não é natural. Então NATURALMENTE, se processa a restituição do estado original.

Também nossos corpos e mente, não foram concebidos para ingerir certos produtos químicos, nem ter alguns tipos de emoções e sentimentos, nem se apoderar e usufruir daquilo que não foi fruto do próprio suor ou gratidão gerada a terceiros.

Toda as vezes que agimos contrário as leis da natureza, semelhante ao dedo machucado, aparecem sujeiras nos nossos corpos (espiritual e material). As já ditas nuvens espirituais e toxinas.

Nosso corpo material por sua vez, tem órgãos que produzem substâncias, processam substâncias, eliminam substâncias. Fazem substâncias circularem pelo nosso corpo. Isto faz parte do mistério da vida.

Para melhor entendimento, vou exemplificar.

Então: não fomos concebidos para ter como natural e positivo, o sentimento de raiva. Toda vez que por qualquer razão somos dominados pela raiva, que é puramente espiritual, se processa uma desarmonia no nosso corpo material, e se produzem toxinas, substâncias nocivas a nosso estado saudável e harmônico. Estas substâncias circulam pelo nosso corpo e “param” segundo uma lei, a de concordância, em algum lugar. Mas vejam que o estado raivoso acontece já por existirem nuvens espirituais no nosso corpo espiritual. Então a raiva acontece como decorrente do estado do corpo espiritual, se reflete no corpo material, e retornam consequências para o corpo espiritual . Observe também que um corpo espiritual sem nuvens, por certo não teria um descontrole a ponto de ser levado a sentir raiva. Ao contrário seria compreensivo e entenderia a situação sem maiores emoções. Entendo como um modelo e um processo orgânico, material e espiritual, totalmente lógico e fácil de se conceber. Esta sujeira material, nada mais que toxina, suja o sangue. O sangue é o elo de ligação entre o corpo espiritual e o material. A mácula do corpo espiritual flui para o corpo material pela coluna, se agrega ao sangue, em certo estágio se constitui o “pus”.

Semelhante podemos entender com a preocupação, o medo, a ânsia, a inveja, e outros tantos sentimentos, que nos roubam a paz, nos tiram o sono, causam um ciclo crescente de estados de incômodo, de sofrimento, nos roubam a tranquilidade, nos jogam num poço sem fundo com sofrimentos infinitos e sem discernimento para visualizar uma saída . Tudo fruto do nosso corpo espiritual com máculas se refletindo na matéria como toxina e doença mental e limitações físicas. Simples assim.

Vamos falar agora de níveis vibratórios, faixas vibratórias. Os corpos sem nuvens espirituais, impossível nos simples mortais, ou com poucas nuvens, habitam, sintonizam, se relacionam, com faixas vibratórias elevadas.

Ao contrário, os corpos com muitas nuvens espirituais, habitam, sintonizam, se relacionam, com faixas vibratórias baixas.

Temos assim uma escala de faixas vibratórias que chamam também de níveis espirituais.

Nos seres ligados as faixas vibratórias elevadas, tudo da certo, pela simples consequência natural de posições, comportamentos e ações, tudo concorde com as leis naturais. E assim tudo conspira a seu favor.

E ao contrário também é verdade. Nos seres ligados as faixas vibratórias baixas, tudo dá errado, pela simples consequência natural de posições, comportamentos e ações, tudo em desacordo com as leis naturais. E assim tudo conspira contra si.

Eu até brinco, que quem está lá por baixo, joga na loteria, tem o bilhete sorteado, mas perde o bilhete.

Já quem está lá por cima, não joga na loteria e acha o bilhete premiado.

Também acontece com quem se apodera de coisas ilegalmente para seu benefício, em detrimento do prejuízo de outra pessoa. É semelhante o processo. O ato em desacordo com as leis naturais promove o surgimento de um desequilíbrio emocional, e vai tudo ladeira abaixo da mesma forma, e termina em corpo material com toxinas e espiritual com máculas.

Se ao invés de nos alimentarmos com verdadeiros produtos alimentícios, usamos a ingestão de produtos ante naturais, a consequência é mais fácil ainda de entender.

Ingerindo substâncias químicas, verdadeiros venenos, estamos fadados a constituir um corpo doente. Se comemos mau, a tendência é termos um corpo intoxicado, e perdemos o sono, ficamos intolerantes, impacientes, briguentos, e tudo consequência dos venenos ingeridos.

Hoje os mercados de produtos alimentícios nos disponibilizam os mais diversos e variados venenos incorporados as frutas, verduras, cereais, enlatados, animais e seus produtos derivados. São os fertilizantes, os agrotóxicos, os hormônios estimulantes de crescimento, as vitaminas, as vacinas, os conservantes, os aromatizantes, os corantes, e todos os antes que nos servem. E até os gostos artificiais. Hoje comemos isto com gosto de aquilo na cor de outro lá, com validade de 5 anos. Né brinquedo não!

Esta prática leva um chefe de família a ficar doente, a não produzir. Ao invés de ser um contribuinte para o bem da sociedade, vira um peso para ela, principalmente para familiares. Dai segue a dificuldade financeira, o conflito familiar. Tudo fruto de máculas no corpo espiritual e toxinas no corpo material. Simples assim!

E como resolver isto?

Mokiti Okada chama este processo de PURIFICAÇÃO.

A questão é limpar as nuvens espirituais e este ato vai se refletir na eliminação das toxinas do corpo material.

Existem várias formas de acontecer isto. Quase todas dolorosas. O retorno ao estado natural é muito duro. Pior ainda se não entendemos este processo e pensamos que está piorando.

A doença é uma destas formas. A depender do tipo de toxina, da quantidade e da vitalidade do organismo, quando chega a um limite, “dispara” o processo de purificação. Se não interrompemos este processo, a doença cumpre a sua missão, e no final teremos um corpo espiritual mais forte, mais limpo, e um material mais saudável. E o corpo espiritual se eleva, o material encontra o equilíbrio, e TUDO DÁ CERTO, ou quando nada, bem melhor que antes.

E o que tem a EHT com isto?

Pois bem, a força espiritual que promove a purificação, responsável pelo sucesso na nossa vida, é algo disponível na natureza.

A ministração da Terapia EHT, é um método de concentração desta energia, e o direcionamento para o corpo espiritual daquele que recebe, promovendo a queima das máculas, e o resto é uma consequência natural que flui Divinamente. E neste passear, esta energia beneficia mais ainda ao que ministra a Terapia.

Associo isto a como fazemos com uma lente colocada ao sol. Conseguimos concentrar e direcionar a luz solar, e fazer um papel queimar, mesmo que seja as 6 horas da manhã. Não é tão simples?

Então fica fácil entender que o chamado pecado é tudo que agride os nossos corpos e cria neles desequilíbrio. É o que chamamos de castigo, nada mais é que o amor de Deus, Sua bondade infinita em promover o nosso retorno ao nosso estado original. Verdadeiros milagres e mistérios da natureza. Mas perfeitamente fácil de entender.

Temos muito mais a conversar em torno do assunto. Mas superficialmente é isto.

O segredo da felicidade, da saúde, do bem estar, podemos encontrar com a prática da Terapia Japonesa EHT que o nosso querido Mestre Mokiti Okada nos deixou.

Para não ficar omisso, digo que temos também nuvens espirituais e toxinas que já trazemos no nosso nascimento. Mas aí é assunto para outra conversa.

Jorge Vianna – Salvador-BA